Portugal registou 4.209 novas infeções com o coronavírus SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas, mais 24 óbitos associadas à covid-19 e um aumento nos internamentos em enfermaria, indicou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo o boletim epidemiológico diário da Direção-Geral da Saúde (DGS), hoje estão internadas 1.478 pessoas, mais 82 do que no domingo, enquanto nas unidades de cuidados intensivos continuam 102 doentes, embora nem todos os internamentos se devam à covid-19, podendo ser motivados por outras patologias apesar da existência de infeção com SARS-CoV-2.

O número de casos ativos subiu hoje para 456.181, mais 3.423 do que no domingo, e nas últimas 24 horas foram dadas como recuperadas 762 pessoas, para um total de 2.785.374 desde o início da pandemia.

O boletim de hoje deixou de contabilizar o número de pessoas em vigilâncias pelas autoridades de saúde, uma vez que os contactos de alto risco deixaram de estar isolamento.

Das 24 mortes, 12 aconteceram na região do Norte, seis em Lisboa e Vale do Tejo, três no Centro, uma no Alentejo, uma no Algarve e outra na Madeira.

Por faixas etárias, morreram 16 idosos com mais de 80 anos, sete pessoas entre os 70 e 79 anos e uma entre os 50 e 59 anos.

A maior parte dos novos contágios foi diagnosticada na região de Lisboa e Vale do Tejo, com 1.211 infeções, seguindo-se o Norte, com mais 1.004, o Centro (716), a Madeira (406), o Algarve (402), os Açores (253) e o Alentejo (271).

Desde o início da pandemia, em março de 2020, a região de Lisboa e Vale do Tejo registou 1.155.036 casos e 8.733 mortes.

Na região Norte registaram-se 1.229.394 infeções e 6.447 óbitos e a região Centro tem agora um total acumulado de 491.016 infeções e 3.737 mortes.

O Algarve totaliza 134.054 contágios e 690 óbitos e o Alentejo soma 117.228 casos e 1.178 mortos por covid-19.

A Região Autónoma da Madeira soma desde o início da pandemia 78.424 infeções e 188 mortes e o arquipélago dos Açores 57.466 casos e 90 óbitos.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

Lusa

Partilhar: