O Centro Cultural de Lagos recebeu, dia 29 de julho, o colóquio “100 Anos da Chegada do Comboio a Lagos ― passado, presente e futuro”. A iniciativa, promovida no âmbito das Comemorações do Centenário da Chegada do Comboio a Lagos, conta com a participação de reputados oradores, juntando académicos, estudiosos da mobilidade e figuras de proa da IP – Infraestruturas de Portugal, CP-Comboios de Portugal e Fundação Museu Nacional Ferroviário, entidades-chave do setor.

Os historiadores e investigadores Hugo Silva Pereira e Joaquim Manuel Rodrigues, que integram o primeiro painel de oradores, irão abordar o tema “A longa caminhada do comboio até Lagos” e explicar “As vicissitudes da construção do ramal ferroviário de Lagos (1878 – 1922)”, recuperando a memória sobre o que foi esse grande acontecimento para Lagos e respetivo contexto geográfico, social, político e económico. Este painel conta, ainda, com a comunicação de Manuel de Novaes de Cabral, presidente da Fundação Museu Nacional Ferroviário, que dará a conhecer o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido para promover o estudo, a conservação e a valorização do património histórico, cultural e tecnológico ferroviário português.

No período da tarde os temas em foco estarão, sobretudo, relacionados com a atualidade e o futuro da ferrovia. Carlos Fernandes, vice-presidente da IP – Infraestruturas de Portugal virá a Lagos abordar os desafios que o século XXI coloca ao caminho de ferro e falar sobre as prioridades desta entidade em matéria de modernização e desenvolvimento da rede ferroviária nacional, em articulação com os restantes meios de transporte, e a harmonização em geral com a rede europeia. Um tema que não ficaria completo sem a perspetiva da CP – Comboios de Portugal, entidade pública empresarial que tem como missão “ligar pessoas e comunidades, de forma sustentada e alicerçada no modo ferroviário”. Pedro Moreira, vice-presidente daquela que é uma das mais representativas empresas portuguesas e a maior no setor dos transportes terrestres a operar em Portugal, abordará a revitalização do serviço de transporte ferroviário de passageiros da CP, assim como as ações que estão a ser implementadas para recuperar os níveis de serviço no curto prazo, garantir mais e melhor mobilidade, reforçar a capacidade operacional e funcional e o desenvolver a sustentabilidade da empresa a médio e longo prazo. Não menos interessante adivinha-se a comunicação de Eduardo Zúquete, um estudioso da mobilidade, que consagrou grande parte da sua atividade profissional ao sector dos transportes e à investigação operacional aplicada. O seu ângulo de análise prende-se com a caracterização do Algarve, que equipara a muitas cidades europeias, e com a questão – a que se propõe dar resposta neste colóquio – sobre o que falta, em termos de transportes, a esta região para que a mesma possa adquirir verdadeiramente a vivência de uma cidade europeia do século XXI.

A sessão de abertura deste evento será feita por Hugo Pereira e por Joaquina Matos, respetivamente presidentes da Câmara Municipal de Lagos e da Assembleia Municipal de Lagos, enquanto entidades organizadoras das Comemorações, e contará, ainda, com a participação de José Apolinário, presidente da CCDR Algarve.

A moderação dos painéis, por seu turno, estará a cargo, no período da manhã, de José António Martins, Técnico Superior de História da Câmara Municipal de Lagos e, no período da tarde, de Elisabete Rodrigues (jornalista e diretora do Sul Informação).

Câmara Municipal de Lagos

Partilhar: