linha_do_algarve_em_faro

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques reiterou o “compromisso político” do atual Governo em concluir a eletrificação de toda a Linha do Algarve “até ao final da legislatura”.

Para o presidente da AHETA – Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve é uma “boa notícia”, embora lamente o facto de o ministro “não se ter comprometido” em relação à ligação ferroviária ao aeroporto, “uma antiga aspiração dos algarvios e do setor turístico”, disse.

Elidérico Viegas, falava ontem, em Faro, à saída de uma reunião de trabalho entre o membro do Governo e as associações empresariais da região, assumido alguma “deceção” com o encontro, particularmente porque Pedro Marques também “não se pronunciou, apesar de ter sido interpelado nesse sentido, sobre a prospeção e exploração de petróleo no Algarve”.

Segundo Vítor Neto, presidente do NERA – Associação Empresarial da Região do Algarve, o ministro pode não se ter manifestado sobre aquela matéria mas “levou uma mensagem clara: o Algarve, todo o Algarve, está contra – associações empresariais, associação de municípios e entidades públicas regionais estão absolutamente contra a prospeção e exploração de petróleo e gás na região”, salientou.

Pedro Marques anunciou ainda um pacote de 30 milhões de euros para aplicar no Algarve em reabilitação urbana.

O dinheiro, especificou o presidente da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve, Jorge Botelho, será “alavancado por mais 35% de fundos municipais” e será investido na “reabilitação de prédios e em infraestruturas culturais”

Já as obras de requalificação da EN 125, suspensas desde Julho, devem ser retomadas no final deste ano ou no início de 2017. O objetivo é concluir os trabalhos relativos à área concessionada até ao Verão, disse o ministro.

Segundo Pedro Marques, o impasse em torno desta estrada não é um problema financeiro, é uma questão formal: falta terminar as negociações em curso com a concessionária da Parceria Público Privada, a Rotas do Algarve Litoral.

Para Elidérico Viegas, o anúncio é uma mera “previsão”, e isso deixa o empresário com “fundadas preocupações” e o receio de “mais atrasos” na conclusão da obra.

As obras do lado não concessionado – entre Olhão Nascente e VRSA – serão “desenvolvidas gradualmente”, de acordo com a disponibilidade do orçamento da Infraestruturas de Portugal, adiantou o membro do Governo.

Durante a manhã de ontem Pedro Marques esteve reunido com os autarcas algarvios, na sede da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve, em Faro, e durante a tarde reuniu-se com empresários.

O encontro faz parte da iniciativa governamental denominada «Cinco Regiões, Mais Investimento».

Partilhar: