O Algarve Biomedical Center (ABC) vai instalar em Tavira dois centros focados na vida saudável e envelhecimento ativo, ao abrigo de um protocolo que hoje é celebrado naquela cidade algarvia, disse o presidente do centro académico.

Em declarações à Lusa, Nuno Marques adiantou que ao abrigo de uma parceria com a Câmara local e a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve (DRAPAlg), a antiga estação agrária de Tavira vai receber um campus ligado à dieta mediterrânica e um centro digital de bem-estar e cuidado no envelhecimento.

Aquele responsável explicou que o Campus Mediterranian Life vai fazer “uma promoção da dieta mediterrânica” e, “sendo Tavira reconhecidamente o local, em termos nacionais, que tem um selo de qualidade” deste estilo de vida saudável, foi o local escolhido para albergar este projeto.

“Estamos a falar de um campus que vai disponibilizar, para além de sessões de formação à população, seja ela mais jovem ou mais idosa, vai permitir visitar uma zona de uma quinta dedicada à produção de produtos da dieta mediterrânica, que fica localizada junto à antiga estação agrária de Tavira”.

Nesta antiga estação existem 30 hectares que, “para além da proteção das espécies da região, possibilitarão um contacto mais prático com este estilo de vida mediterrânico, desde a sua produção até à confeção e alimentação”, a par da “criação de circuitos, num espaço verde e aberto, onde serão feitos exercícios físicos para complementar o estilo de vida mediterrânico”, precisou.

Em causa está, segundo o presidente do ABC, uma “integração da questão da dieta mediterrânica na prevenção e na melhoria da qualidade e dos estilos de vida”, que vai ser feita com base num protocolo a formalizar hoje, nas instalações da DRAPAlg em Tavira, numa cerimónia na qual está prevista a presença da ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

No mesmo local, vai ser criado de “forma complementar” um “centro dedicado às questões do bem-estar com o desenvolvimento de terapias digitais, testado pela universidade John Hopkins, nos Estados Unidos”, que tem uma parceria com o ABC para a instalação do Wellbeing and Agecare Digital Center.

“Estamos a falar de videojogos específicos, desenhados pela Marvel e pela Disney, para a universidade John Hopkins, que já comprovaram em ensaios clínicos que têm uma grande capacidade de manutenção das capacidades físicas e cognitivas”, acrescentou.

Segundo o presidente do consórcio que junta a Universidade e o Centro Hospitalar Universitário do Algarve, esta tecnologia permite também fazer “reabilitação em situação de doença que ultrapassa os métodos tradicionais da fisioterapia e da estimulação cognitiva”.

Nuno Marques disse que o ABC vai fazer a “gestão de forma completa” destes dois projetos, no âmbito das redes de envelhecimento que já estão implementadas no Algarve, “dando resposta a um desafio prático de execução” lançado pelo Ministério do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social.

“Isto irá também potenciar a possibilidade de um outro tipo de turismo – não ser só o sol e praia -, em que as pessoas que vêm vão poder fazer visitas a este centro”, afirmou, destacando o potencial dos projetos para a “diversificação da oferta” turística.

Segundo Nuno Marques, quer este centro da dieta mediterrânica, quer o centro das terapias digitais podem ser usados para a manutenção de capacidades físicas e cognitivas, no âmbito de um “envelhecimento ativo e saudável”.

Questionado sobre o investimento necessário, aquele responsável respondeu que estão em causa “cinco a seis milhões de euros”, que serão financiados com verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) “já disponibilizadas e que poderão ser reforçadas com outras verbas do PRR e outros fundos europeus”.

O presidente do ABC estimou que o Wellbeing Agecare Digiral Center esteja a funcionar “no primeiro semestre do próximo ano”, enquanto o Campus Mediterranian Life só “em 2023 estará a funcionar em pleno”, embora “algumas atividades possam começar no próximo ano”.

Lusa

Partilhar: