Consumo de eletricidade aumenta 1,8% em 2022 e atinge níveis pré-pandemia

O consumo de eletricidade a partir da rede pública totalizou, em 2022, 50,4 Terawatts-hora (TWh), representando um aumento de 1,8% face a 2021 e o regresso aos valores de 2019, mas caiu 1,7% em dezembro, divulgou hoje a REN.

Segundo dados da REN – Redes Energéticas Nacionais, divulgados em comunicado, “o consumo de energia elétrica a partir da rede pública totalizou, em 2022, 50,4 TWh, um aumento de 1,8% face a 2021, ou 2,4% com a devida correção dos efeitos de temperatura e número de dias úteis, regressando assim aos valores registados em 2019”, antes da pandemia de covid-19.

No entanto, em dezembro, o consumo de eletricidade caiu 1,7%, corrigindo para 0,5%, considerando os efeitos da temperatura e dias úteis, “devido às temperaturas acima dos valores médios que se fizeram sentir”, apontou a entidade.

No balanço do ano, o índice de produtibilidade hidroelétrica registou 0,63, o de produtibilidade eólica 0,99 e o de produtibilidade solar 1,06 (médias históricas de 1).

Em 2022, a produção renovável abasteceu 49% do consumo, com a eólica a representar 25%, a hidroelétrica 12%, a biomassa 7% e a fotovoltaica 5%.

“Com exceção dos últimos dois meses do ano, as afluências muito reduzidas levaram a uma descida da produção anual hidroelétrica em 35%”, referiu a REN.

Pelo contrário, a produção fotovoltaica cresceu 48%, no ano passado, devido ao aumento progressivo da capacidade instalada.

Já a produção não renovável foi responsável por 33% do consumo, enquanto o saldo importador abasteceu 18%, tratando-se da percentagem mais elevada desde 2008.

Numa análise ao mês de dezembro, verificou-se que a “forte precipitação que se fez sentir fez aumentar o índice de produção hidroelétrica para 1,67, enquanto a produção eólica atingiu os 1,11 e a solar se ficou pelos 0,78 (médias históricas de 1)”.

Ainda no último mês do ano, a produção renovável abasteceu 81% do consumo (incluindo a exportação) e a não renovável os restantes 19%, sendo que o saldo mensal foi, pela primeira vez naquele ano, exportador, equivalendo a 12% do consumo nacional.

No mercado de gás natural, em 2022, o consumo registou 61,8 TWh, uma variação negativa de 3,2% face a 2021, “resultado de uma contração de 19% no segmento convencional que foi parcialmente compensada por um crescimento de 26% no segmento de produção de energia elétrica”.

O consumo global de gás natural registado em 2022 foi o mais baixo desde 2016, apesar do segmento de mercado elétrico ter registado o valor mais elevado de sempre.

O abastecimento do sistema nacional em 2022 foi feito sobretudo a partir do terminal de Sines (94%) e o restante (6%) a partir da interligação com o sistema espanhol.

No último mês do ano, o consumo de gás manteve a tendência negativa que se registou nos últimos meses, com uma quebra homóloga global de 17%, e com os segmentos convencional e mercado elétrico a registarem quedas de 14% e 22%, respetivamente.

Lusa

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Artigos Relacionados

Escola Primária Almádena (4)_fb

Município de Lagos dá casa à C4M4

markus-spiske-pl_HXNkyFmw-unsplash.jpg

Publicadas tabelas de retenção na fonte de IRS corrigidas

Bolsas Estudo OCS

Em Lagos mais de uma centena de estudantes vão receber bolsa de estudo municipal