O Instituto do Vinho e da Vinha (IVV) estima que se registe uma quebra de 3% na produção de vinho na campanha 2018/19 face a 2017/18.

No total, deverão ser produzidos, no país, cerca de 6,5 milhões de hectolitros. Sendo um volume inferior do verificado no ano passado, está, no entanto, muito próximo da média das cinco últimas campanhas.

Este organismo acrescenta que “o ciclo vegetativo das videiras está atrasado duas a três semanas, pelo que as condições climatéricas nos meses de agosto e de setembro serão determinantes na quantidade e qualidade da colheita”.

A região algarvia deverá estar em contraciclo, uma vez que, a par do Alentejo e dos Açores, verá aumentada a sua produção. A previsão para o Algarve é de um aumento de 10%, o que tem a ver com “o bom desenvolvimento vegetativo das vinhas, resultado da alta pluviosidade registada”. No documento do IVV refere-se, ainda, que “ocorreram alguns focos de míldio e de oídio, que não afetaram a produção”.

Partilhar: