A Universidade do Algarve elaborou um estudo sobre impacto económico e social do empreendimento Ombria Resort, que está a ser construído a cerca de 7 kms a norte da cidade de Loulé.

De acordo com este documento,  o Estado central poderá ter de encaixe fiscal de 131 milhões de euros, enquanto que se estima que a administração local venha a receber 22,2 milhões de euros, totalizando, portanto, 153,2 milhões de euros.

O estudo de ‘Impacto Económico e Social do Empreendimento Ombria Resort no Concelho de Loulé’, realizado por uma equipa multidisciplinar, nos domínios da economia regional, turismo, finanças empresariais e fiscalidade, aponta também o valor do investimento total do grupo PONTOS, para a concretização do projeto.

Serão necessários 252,2 milhões de euros para construir todas as infraestruturas, o campo de golfe, os edifícios do hotel Viceroy e os imóveis que serão disponibilizados para serem adquiridos por terceiros, fazer os arranjos paisagísticos, reorganizar o espaço natural e melhorar os acessos rodoviários.

O Ombria Resort está a ser desenvolvido no interior do Algarve, entre as aldeias de Tôr e Querença. Durante o período de construção, serão necessários em média 140 trabalhadores por ano, prevendo-se um pico de 572 em 2020. Quando estiver em funcionamento, a partir da conclusão da primeira fase em 2021, a necessidade de mão de obra estabilizará nos 300 postos de trabalho.

O estudo aponta também para a dinamização da economia local e o crescimento do emprego indireto, pelo impacto positivo que o Ombria Resort deverá ter em restaurantes, bares, mercearias e empresas de atividades turísticas.

Partilhar: