A Região de Turismo do Algarve (RTA) acaba de lançar o Observatório para o Turismo Sustentável com o objetivo de estudar, analisar e monitorizar o desempenho turístico do destino nas áreas da sustentabilidade económica, social e ambiental. Este instrumento operacional que foi apresentado, esta quinta-feira, na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), conta com o apoio do Turismo de Portugal e será desenvolvido em parceria com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR Algarve) e a Universidade do Algarve (UAlg).

O Observatório irá dotar a RTA de conhecimento específico e detalhado sobre a região, o qual servirá de apoio à definição da estratégia e apoiará o desenvolvimento e a competitividade turística, assegurando a preservação e a valorização da identidade, património e valores locais, enquanto ativos estratégicos.

O lançamento do Observatório foi feito através da formalização de um protocolo entre as entidades parceiras, que decorreu hoje, 14 de março, no âmbito da BTL e contou com a presença da secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, e dos representantes das entidades parceiras.

Para o presidente da RTA, João Fernandes, o Observatório “vai permitir-nos melhorar a gestão sustentável do destino turístico e marcar uma posição pioneira no contexto das regiões turísticas portuguesas e até no panorama internacional. Com a criação deste instrumento assinalamos a nossa proatividade, obtendo importantes ganhos de imagem e notoriedade para a região”.

Segundo o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, “esta é uma das medidas da Estratégia Turismo 2027 que visa posicionar o destino a nível de competitividade e sustentabilidade. A sustentabilidade dos destinos turísticos é uma prioridade absoluta da política de turismo em Portugal. Com a criação do Observatório do Turismo Sustentável no Algarve criamos as condições para que o planeamento e gestão da maior região turística nacional assentem num conhecimento profundo dos impactos da atividade no território, incorporando as melhores práticas internacionais nesta matéria. Por outro lado, esta iniciativa contribui para afirmar Portugal como líder internacional em matéria de sustentabilidade. A futura integração deste observatório na rede de Observatórios da OMT colocará Portugal como o único país europeu com dois observatórios na rede (depois do Alentejo), que já integra projetos de Espanha, Grécia e Itália.”

Francisco Serra, presidente da CCDR Algarve, congratula-se “por este importante passo, que vem em linha com o desafio lançado no final de 2016 no âmbito do Conselho de Inovação Regional do Algarve, com vista à criação de um centro de conhecimento e inovação em turismo que estimulasse a produção científica em torno desta atividade. Atividade essa que constitui um pilar fundamental da economia regional, mas que pode e deve alavancar oportunidades noutros setores, conforme previmos na nossa Estratégia Regional de Especialização Inteligente, nomeadamente com o mar, a saúde e o agroalimentar.”

Paulo Águas, reitor da Universidade do Algarve, afirma: “será crescente a importância do conhecimento enquanto fator de competitividade dos destinos turísticos. Não se faz boa política pública sem conhecimento. Agentes económicos com mais conhecimento tomam melhores decisões. O Observatório contribuirá assim para aumentar a competitividade do Algarve. Com formação na área do Turismo desde 1991 e com níveis de investigação sólidos, comprovados pela presença noranking de Xangai, a Universidade do Algarve estará empenhada em contribuir para que o Observatório se transforme numa referência para (e da) região.”

Partilhar: