Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro cresceu 14,4%

 

No 1º trimestre do ano o movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 18,6%, próximo do crescimento de 20,3% observado no trimestre anterior, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O movimento de passageiros (embarques, desembarques e trânsitos directos) totalizou 9,4 milhões. No movimento de carga e correio registou-se um crescimento de 17,9%, totalizando 41,2 mil toneladas, com maior aumento nos embarques (22,3%, 21,5 mil toneladas) que nos desembarques (13,5%; 19,7 mil toneladas).

O maior crescimento no movimento de passageiros observou-se em Lisboa: +21,1%, resultante do movimento total de 5,2 milhões de passageiros. O aeroporto do Porto teve um aumento de 19,9%, correspondendo a 2,1 milhões de passageiros e Faro subir +14,4%, tendo movimentado 902,9 mil passageiros. Lisboa concentrou 54,9% dos passageiros em tráfego aéreo, enquanto ao Porto correspondeu 22,5% e a Faro 9,6%.

O tráfego internacional concentrou 79,1% do movimento total de passageiros. Em Lisboa, 86,3% dos passageiros movimentaram-se em tráfego internacional, enquanto em Faro os movimentos internacionais pesaram 90,7%.

Por comboio e por metropolitano também se registaram aumentos nos passageiros transportados: 6,2% e 12,4%, respectivamente.

Relativamente ao movimento de mercadorias, registou-se um crescimento de 11,4% nos portos nacionais.
O transporte rodoviário de mercadorias evidenciou um crescimento de 11,2% nas toneladas transportadas, interrompendo a tendência de diminuição antes registada. O transporte de mercadorias por ferrovia pouco oscilou (+0,6% em toneladas e +0,1% em toneladas-quilómetro).

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Artigos Relacionados

concurso de fotografia de Lagos

Recuperação de ecossistemas destacada em concurso de fotografia de Lagos

Catorze distritos em aviso amarelo

Catorze distritos em aviso amarelo por causa do calor

REDES_Apoios pecuaria

Apoio extraordinário aos criadores das espécies bovina, ovina, caprina e equídeos afetados pelos incêndios rurais