A taxa de empregabilidade dos alunos formados nas Escolas do Turismo de Portugal subiu em 2016, situando-se agora nos 88,1%, de acordo com um Estudo de Inserção Profissional agora divulgado.

Segundo esse documento, 74,2% das pessoas formadas nestas escolas estão empregadas, enquanto que 13,9% prosseguiram os seus estudos, pelo que apenas 11,9% se encontram desempregadas.

Entre as que estão empregadas, a esmagadora maioria (90,1%) desenvolve actividade no sector do turismo, sendo que mais de 81% afirmam estar a desempenhar funções adequadas à formação recebida.  De salientar, ainda, que 86,1% ficaram colocados no mercado de trabalho em menos de três meses.

Os cursos de Turismo de Ar Livre e de Técnicas de Cozinha/ Pastelaria apresentam uma taxa de actividade de 100%, seguidos do curso de Culinary Arts com 93,5%.

No que se refere ao Agrupamento formativo, aquele que reúne a maior Taxa de Inserção Profissional é o Algarve com 85,1% na tipologia de formação de nível 5. Com a menor Taxa de Inserção Profissional está o Agrupamento de Lisboa com apenas 13,3% no nível 4.

As novas tecnologias já têm um papel importante ao nível da contratação de pessoas, tendo 16,3% dos inquiridos respondido que encontraram o trabalho actual em resposta a um anúncio que encontraram na internet. Outra fatia dos ex-alunos – 15,4% – respondeu ter sido através da empresa onde realizou estágio; 14,2% chegaram ao actual emprego por contacto directo da empresa e outros tantos através de familiares e amigos. O número dos que conseguiram colocação através do método clássico de envio de candidaturas espontâneas foi de apenas 8,3%.

Uma parte considerável dos que estão a trabalhar (42,7%) aufere ordenados mensais que variam entre os 558 e os 750 euros e apenas 13,9% recebem o salário mínimo. Entre 751 e 1.000 euros encontram-se 18,1% e ordenados acima dos 1.000 euros foram declarados por 21,9%, enquanto que os restantes 3,3% não responderam a esta questão.

 

Partilhar: