Encante-me… E eu comprarei

Era uma vez um país na Europa que começou a ser o destino preferido dos turistas europeus. No primeiro semestre de 2016, mais de 8,5 milhões de turistas visitaram as cidades portuguesas de acordo com a European Best Destinations. Considerando que estava na competição nada mais nada menos que Paris, a cidade das luzes, ouvir dos turistas que:

“O Porto é excepcional de várias formas (…), e a arquitetura, a cultura, a gastronomia, o comércio, os encontros e a descoberta vão seduzi-lo.”

Opa! Acho que eu li uma palavrinha que sempre me chama atenção em qualquer texto: comércio. E acho que eu li outra que não me agradou muito: seduzí-lo.

Bom, vamos aos factos porque contra factos não há argumentos:

Cena 1 – Entra na loja a pessoa que vos escreve para comprar uma bolsa. Para averiguar a qualidade do material toca em 3 bolsas e eis que surge um ser lá do fundo da loja e grita de lá mesmo:

– Mas o que que se passa aí? Não pode pegar nas bolsas. Se a senhora vai comprar, diga qual é que quer e eu pego pra si.

Com uma cara de cão sem dono saio da loja sem dizer um “a”, simplesmente porque faltou resposta.

Cena 2 – Sem opções de alimentação saudável nas ruas de Lisboa, vou à uma tenda que vende sumo de frutas em garrafinhas. Promoção: 2 por 5€. Pergunta a colaboradora: 

 – Qual o sabor?

Penso por 2 segundos porque havia umas 6 opções de escolha e, em um tom um pouco mais alto e agressivo, ouço novamente: 

 – Qual o sabor, minha senhora?

Perplexa com a “delicadeza”, respondo:

– Eu posso pensar?  

Cena 3 – Numa loja de cosméticos, entro para comprar uma determinada linha de produtos para o cabelo, indicada pelo meu cabeleireiro. Ao olhar para a prateleira fico um pouco perdida com a quantidade de opções, sem encontrar a marca que estava a procurar. As colaboradoras, no balcão estavam.. e no balcão permaneceram.

Realmente determinada a comprar o produto, sigo em direcção ao balcão e, depois de um largo sorriso, minha marca registada para quebrar o gelo, digo: 

 – Estou precisando de uma ajudinha aqui…

 – Diga lá.

 – É que não encontro a marca XYZ de tratamento para cabelos loiros.

 – Olha, minha senhora, o que tem é o que está aí.

Pensei: Foi isso mesmo que eu ouvi? Vou tentar de novo.

 – Ahhhh.. Que pena. Então essa marca não tem?

 – Não. Não tem.

O problema é que eu realmente queria tratar o meu cabelo. Insisto:

– E a senhora recomenda alguma outra? Sabe onde eu consigo encontrar essa linha que meu cabeleireiro indicou?

Ignorando a primeira pergunta que, diga-se de passagem, seria o gatilho que qualquer vendedor decente precisaria para vender, vem a resposta:

 – Não sei, não.

 – Obrigada.

Saí da loja arrasada e pensativa. É…. Há muito trabalho a fazer por aqui.

Cena 4 (porque eu gosto de número par) – Preguiçosa, não fiz compras de supermercado no dia anterior e tive que acordar e tomar meu pequeno almoço na rua. Tinha acabado de me mudar e não conhecia a zona.

Saí do prédio e andei alguns metros deparando-me com mesinhas e cadeiras na calçada.

Pensei: Oba! Nem precisei andar muito. Sentei-me.

1 minuto… 2 minutos… 3 minutos… Olho pro telemóvel praa ver se alguém mandou mensagem… 4 minutos… 5 minutos e tchan tchan tchan… Ufa! Surgiu um empregado de mesa. Olhou para mim com cara de surpresa e eu até pensei: Será que estou estranha? Ele então inicia um diálogo, sem um sorriso no rosto. E antes de continuar a história, preciso dizer algo:

– SORRIR É BÁSICO EM QUALQUER APPROACH, TÁ BEM?

Pronto. Falei. Vamos ao diálogo:

 – Olá.

 – Olá. O senhor tem uma ementa?

Com um cara de quem estava a ouvir uma pergunta ridícula, ele respondeu secamente:

 – Não. O que a senhora quer?

Eu não preciso terminar o resto da experiência. Pedi o que me veio à cabeça por fome e preguiça.

Bem, eu teria mais uns 10 relatos de experiências que não me seduziram, mas uma chamou-me a atenção não porque eu tenha sido seduzida, mas porque eu fiquei ENCANTADA. Vamos ao que há de bom no COMÉRCIO:

Indicada por uma amiga que deu meu telemóvel para um ginásio, recebi uma ligação com um convite para conhecer o local. Despretensiosa, fui. Ao chegar no ginásio, já fiquei surpresa com a limpeza, decoração e cheiro agradável. Quando entrei, um largo sorriso de boas vindas veio em minha direcção, que ainda só tinha visto caras sérias e carrancudas no comércio. Pensei: Ufa! Finalmente, alguém feliz por ter um emprego. A rapariga diz:

 – Oláááá! Tudo bem?

 – Tudo. Eu recebi uma ligação da Joana e ela marcou comigo às 11:30.

 – Ahhh sim… Aguarde só um bocadinho que já vou avisar.

Chega a Joana, a sorrir… (Oba! Mais uma feliz!)

 – Olá Daniela! Tudo bem? Vamos conversar um pouquinho antes deu lhe mostrar o ginásio?

 – Claro!

A rapariga estava a usar várias técnicas de vendas comigo e eu, que dou formação sobre isso, não conseguia nem perceber, tamanho o encantamento. Ela soube da minha vida inteira em 15 minutos de conversa e no fim já estávamos praticamente amigas!

No meio da apresentação do ginásio eu já estava à procura do contrato para assinar, mas, eis que me chega a tacada final, sem eu pedir, para que eu me sentisse ENCANTADA o suficiente para comprar o pacote que fosse:

 – Olha, como a senhora é muito simpática, eu vou lhe abrir uma excepção aqui e vou lhe dar 30 minutos de massagem de graça.

 – Oi? Massagem? Onde assino?   

       

 

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Artigos Relacionados

concurso de fotografia de Lagos

Recuperação de ecossistemas destacada em concurso de fotografia de Lagos

Catorze distritos em aviso amarelo

Catorze distritos em aviso amarelo por causa do calor

REDES_Apoios pecuaria

Apoio extraordinário aos criadores das espécies bovina, ovina, caprina e equídeos afetados pelos incêndios rurais