Avaliação bancária na habitação recua para 1.478 euros por m2 em fevereiro

O valor mediano de avaliação bancária na habitação diminuiu sete euros em fevereiro face a janeiro, para 1.478 euros por metro quadrado (m2), ficando 12,5% acima de fevereiro de 2022, divulgou hoje o INE.

“Em fevereiro de 2023, o valor mediano de avaliação bancária, realizada no âmbito de pedidos de crédito para a aquisição de habitação, fixou-se em 1.478 euros por metro quadrado (euros/m2), tendo diminuído sete euros (0,5%) face a janeiro de 2023”, avança o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo detalha, o único aumento face ao mês anterior verificou-se no Alentejo (0,7%), tendo-se verificado a maior descida no Centro (-1,1%).

Já em comparação com o mesmo período do ano anterior, o valor mediano das avaliações cresceu 12,5% em fevereiro (14,9% em janeiro de 2023), registando-se a variação mais intensa na Região Autónoma da Madeira (16,1%) e a menor na Região Autónoma dos Açores (4,9%).

De acordo com o instituto estatístico, o número de avaliações bancárias consideradas para o apuramento do valor mediano de avaliação bancária de fevereiro voltou a diminuir, situando-se em cerca de 20.000, o que representa uma redução de 29,2% face mesmo período do ano anterior e menos 38,7% que em maio último, mês em que se registou o máximo da série.

No mês em análise, o valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1.662 euros por m2, tendo aumentado 13,7% relativamente a fevereiro de 2022.

Os valores mais elevados foram observados no Algarve (2.082 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.987 euros/m2), tendo o Alentejo registado o valor mais baixo (1.083 euros/m2).

Pelo contrário, a Região Autónoma da Madeira apresentou o crescimento homólogo mais expressivo (17,1%) e a Região Autónoma dos Açores o menor (9,8%).

Comparativamente com o mês anterior, o valor de avaliação dos apartamentos desceu 0,6%, registando o Alentejo a única subida (1,5%) e a Região Autónoma dos Açores a descida mais intensa (-7,3%). O valor mediano da avaliação para apartamentos T2 desceu 12 euros, para 1.645 euros/m2, tendo os T3 subido um euro, para 1.475 euros/m2.

“No seu conjunto, estas tipologias representaram 77,0% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise”, nota o INE.

Já no que diz respeito a moradias, o valor mediano da avaliação bancária foi de 1.147 euros por m2 em fevereiro, o que representa um acréscimo de 9,6% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Os valores mais elevados observaram-se no Algarve (2.091 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.972 euros/m2), tendo o Centro e o Alentejo registado os valores mais baixos (922 euros/m2 e 982 euros/m2, respetivamente).

O Algarve e a Região Autónoma da Madeira apresentaram o maior crescimento homólogo (14,3%) e o menor ocorreu no Centro (5,4%).

Comparativamente com o mês anterior, o valor de avaliação desceu 0,4%, tendo o Alentejo apresentado o maior crescimento (1,7%) e a maior descida ocorrido no Centro (-2,9%). O valor mediano das moradias T2 subiu 25 euros, para 1.079 euros/m2, tendo as T3 subido quatro euros, para 1.097 euros/m2 e as T4 descido 23 euros, para 1.301 euros/m2.

No seu conjunto, estas tipologias representaram 87,4% das avaliações de moradias realizadas no período em análise.

Numa análise por regiões NUTS III, verifica-se que o Algarve, a Área Metropolitana de Lisboa, o Alentejo Litoral e a Região Autónoma da Madeira apresentaram valores de avaliação 40,9%, 34,2%, 5,3% e 1,5%, respetivamente, superiores à mediana do país.

Já a região das Beiras e Serra da Estrela foi a que apresentou o valor mais baixo em relação à mediana do país (-50,2%).

Lusa

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Artigos Relacionados

Edificio Câmara Municipal de Lagos

Câmara de Lagos quer comprar terrenos para ampliar a oferta habitacional

Noticia_BIBLIOTECA-MUNICIPAL

Biblioteca Municipal de Silves regressa à sua atividade normal com a reabertura da sala António Lobo Antunes

2024-042-Maios-EN125

Na celebração dos 40 anos dos Maios todos podem participar na exposição

Diretor:
Miguel Ângelo Morgado Henriques Machado Faísca
Nº de inscrição na ERC:
124728