O presidente da Associação do Comércio e Serviços da Região do Algarve (ACRAL), Álvaro Viegas, considera que não será dramático para a generalidade das empresas da região acompanhar o aumento do salário mínimo para 600 euros, desde que a economia cresça acima dos 2%.

Em entrevista ao programa Opinião Pública, da SIC Notícias, este dirigente associativo referiu que muitas das pequenas e médias empresas que têm actividade na região já pagam aos seus trabalhadores salários superiores aos 557 euros, que está, actualmente, fixado como mínimo.

Se os trabalhadores tiverem maior vencimento, “aumenta, também, o esforço que podem fazer, em termos de consumo e isso é bom para a economia”, referiu Álvaro Viegas, que também defendeu a necessidade do Algarve diversificar a sua económia.

Veja aqui o vídeo da entrevista:

Partilhar: