alexandra-santos

Alexandra Santos

Designer de Comunicação

 

Acabaram com mais uma das minha ilusões. Grande parte da Batata-doce que encontramos à venda, seja supermercado, pequeno comércio ou mercados tradicionais, tem proveniência chinesa. Sim! Vem da China, a mais de 9.000 Km. Este país, segundo a FAO (2010) é o maior produtor de Batata-doce, encontrando-se na Ásia 90% da produção mundial.

A Batata-doce chinesa tem de atravessar fronteiras, continentes, um sem número de armazéns, transportes e intermediários até ao nosso país. E chega às prateleiras com um preço competitivo. A diferença de valor das moedas, a produção em massa e o baixo custo do combustível possibilitam isso.

A Batata-doce prato não é autóctone do nosso território, originária dos Andes na América Central, chegou cá no século XVI, ao mesmo tempo que a outra batata. Foram os portugueses (nós pioneiros da globalização) que a espalharam pelo mundo. A sua disseminação permitiu o desenvolvimento de variedades regionais, como é o caso da variedade Lira, certificada pela IGP (Indicação Geográfica Protegida), Batata-doce de Aljezur.

Iguaria de fim de verão e outono, no Algarve tanto serve como acompanhamento de pratos, de sobremesa ou petisco. Traz-me à memória momentos adocicados de aconchego e gula.

A Câmara Municipal de Aljezur publicou em 2012 um livro, Batata-Doce de Aljezur, da autoria de Teresa Resende, que celebra este produto com sugestões tradicionais e contemporâneas. O Festival da Batata-doce de Aljezur, tem creditado o reconhecimento da IGP junto do público. Com o desenvolvimento deste trabalho, cuidado e persistente, de prestígio e valorização da Batata-Doce de Aljezur, pensei ingenuamente, que este fosse um produto minimamente salvaguardado de imitações e substituições.

Fico triste de pensar que muitos comerciantes vendem batata-doce chinesa do Rogil. Estas coisas infelizmente acontecem. Rapidamente etiquetas são trocadas ou omitidas. Este é um dos poucos produtos, que os consumidores algarvios têm um real cuidado com a proveniência. Certamente tal como eu muitos acreditaram estar a comprar local ou na pior das hipóteses nacional.

A minha família produz batatas para consumo doméstico desde que conseguiu terra para o fazer, as batatas dos arredores de Silves não são têm as especificidades de Aljezur, às vezes nem são muito doces, mas a consciência do que está no meu prato deverá ter algum sabor.

batata-doce

Partilhar: