O presidente da Câmara de Albufeira, Carlos Silva e Sousa, acredita que Paderne pode vir a conquistar o título de uma das 7 Aldeias Maravilhas do país.

Para já, no Domingo passado conseguiu dar um passo muito importante nesse sentido, ao ser uma das duas apuradas para a grande final, na categoria de Aldeia Rural.

Carlos Silva e Sousa assume que o primeiro grande objectivo da candidatura, que era “dar a conhecer Paderne a Portugal inteiro e não só, uma vez que o programa foi transmitido também pela RTA Internacional, já está cumprido”. O autarca diz que “tinha confiança que íamos ganhar, lutei por isso, tal como os funcionários da Câmara, a claque, os presidentes de Junta e, de uma forma geral, toda a população de Albufeira se envolveu neste desafio”.

Na gala realizada em Paderne, os dois lugares que davam acesso à final eram disputados pelas aldeias de Alegrete (Portalegre), Cachopo, (Tavira), Casal de S. Simão (Figueiró dos Vinhos), Faial (Santana/Madeira), Manhouce (São Pedro do Sul), Sistelo (Arcos de Valdevez) e, naturalmente, Paderne.

O primeiro nome a ser anunciado foi o de Sistelo, o que aumentou a ansiedade de todos os adeptos das outras aldeias. Assim que foi anunciado que a segunda finalista era, exactamente, Paderne, a apreensão deu lugar a uma explosão de alegria.

Agora os olhos estão postos na final e Carlos Silva e Sousa está confiante e assume que “jogamos para ganhar”. Mas acrescenta que se o resultado não for o esperado, “também temos bom perder”.

O autarca destaca a importância que o programa ‘7 Maravilhas’ tem, no sentido em que “dá a conhecer muito do que o país tem de belo e que, em grande medida, é desconhecido” da grande maioria dos portugueses.

Partilhar: