O novo coronavírus, intitulado COVID-19, foi identificado pela primeira vez em dezembro de 2019, na cidade de Wuhan, na China.

A infeção causada por este vírus pode ser semelhante a uma gripe comum ou apresentar-se como uma doença mais grave, como a pneumonia.

As vias de transmissão deste coronavírus ainda estão em investigação, no entanto a transmissão pessoa a pessoa foi confirmada, e julga-se que ocorre durante uma exposição próxima a indivíduos infetados com COVID-19, “através da disseminação de gotículas respiratórias produzidas quando uma pessoa infetada tosse, espirra ou fala, as quais podem ser inaladas ou pousar na boca, nariz ou olhos de pessoas que estão próximas. O contacto das mãos com uma superfície ou objeto com o novo coronavírus e, em seguida, o contacto com as mucosas oral, nasal ou ocular, pode conduzir à transmissão da infeção. Até à data não existe vacina ou tratamento específico para esta infeção”, conforme informações divulgadas pela Direção-Geral de Saúde.

As pessoas infetadas podem apresentar sintomas de infeção respiratória aguda, tais como febre, tosse e dificuldade respiratória. Em casos mais graves pode levar a uma pneumonia grave, como insuficiência respiratória aguda, falência renal e de outros órgãos, podendo eventualmente levar à morte.

Quanto aos estabelecimentos comerciais, locais de grande circulação de pessoas, devem ter em conta as vias de transmissão direta, via aérea e por contato e as vias de transmissão indireta, superfícies/objetos contaminados. As empresas devem ter um Plano de Contingência específico para responder a um cenário de epidemia pelo novo coronavírus. A elaboração deste Plano deve envolver os Serviços de SST (Organização dos Serviços de Segurança e de Saúde no Trabalho) da empresa, os trabalhadores e seus representantes.

A DGS recomenda como prevenção ao coronavírus que se adote a etiqueta respiratória, ou seja, tapar o nariz e a boca quando se espirra ou tosse, utilizar um lenço de papel ou o braço, nunca as mãos. Caso se utilize um lenço de papel, este deve ser de utilização única. As medidas de higiene devem ser reforçadas, lavar frequentemente as mãos durante o dia com água e sabão, na ausência destes elementos, devem ser utilizadas soluções com base alcoólica. O contacto com doentes com infeções respiratórias deve ser evitado.

Todos aqueles que apresentem sintomas sugestivos de doença respiratória, durante ou após situações de possível contágio, antes de se deslocarem a um serviço de saúde, devem ligar para o 808 24 24 24 (SNS24).

Partilhar: