O primeiro semestre de 2017 bateu o recorde dos últimos nove anos, em termos de transacções
semestrais de fogos habitacionais, revela a Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (FEPICOP), baseando-se em dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

Na primeira metade do ano foram transaccionados em Portugal 72 mil imóveis, num montante total de 8,9 mil milhões de euros, o que implica crescimentos de 18% em número e de 25% em valor, face ao período homólogo de 2016.

À semelhança do verificado nos últimos 4 anos, refere esta entidade, “foi a venda de fogos já existentes (com crescimentos de 21% em número e de 31% em valor, levando a um aumento acentuado no volume de trabalhos de  reabilitação/renovação) a principal responsável pelo forte dinamismo observado no primeiro semestre de 2017, já que as transacções de fogos novos apenas cresceram 4% em número e 6% em valor, até Junho.”

Em termos regionais, foi a Área Metropolitana de Lisboa que se destacou, tendo sido responsável por 35% das transacções totais e de 48% da facturação, com crescimentos de 17% e de 29%, respectivamente, face a igual período de 2016.

Também o sector das obras públicas está a mostrar, este ano, um grande dinamismo, registando, até Agosto, aumentos de 91% no montante dos concursos lançados e de 83% no dos contratos celebrados.

 

Partilhar: