A organização de produtores de citrinos algarvios Frusoal quer exportar a laranja biológica Biogomo para os países da Escandinávia já no próximo ano.

A primeira abordagem ao mercado foi feita este mês com a participação, pela primeira vez, na Nordic Organic Food, a maior feira de produtos biológicos da região, que decorreu entre 13 e 14 de novembro em Malmö, na Suécia.

Depois de dois dias de contactos com potenciais clientes, a Frusoal informa, em comunicado, acreditar que “há espaço no mercado para a laranja produzida em modo biológico no Algarve, que se distingue da concorrência pelo sabor”.

Em 2020 a Frusoal já irá exportar laranjas Biogomo, que chegam ao consumidor entre janeiro e março. A produção estimada neste ano de arranque é de 200 toneladas.

A presença na Nordic Organic Food faz parte do plano de internacionalização que a Frusoal tem em marcha para aumentar as suas vendas no exterior.

Aumento das exportações é o grande objetivo

O objetivo global é aumentar em mais de 40% o volume de laranja comercializada fora de Portugal. Este crescimento acompanha a subida prevista na produção global, dos atuais 35 milhões de quilos para 50 milhões de quilos nos próximos quatro anos. As exportações representam 20% do total da produção.

O projeto de internacionalização é cofinanciado pelo Programa Operacional CRESC Algarve 2020, com o montante de investimento elegível global de €259.552,50, dos quais 45% (€116.798,63) são provenientes do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Sedeada em Vila Nova de Cacela (Vila Real de Santo António), a Frusoal iniciou atividade em 1990. Hoje, produz mais de 35 mil toneladas de citrinos (laranjas, tangerinas, clementinas e limões) numa área que ronda 1400 hectares, espalhados por toda a região do Algarve.

Conta com cerca de uma centena de associados e dá emprego a 170 pessoas. Em 2018 registou um volume de negócios que superou 22,5 milhões de euros. Nos últimos anos, a Frusoal tem investido também na produção de dióspiro e abacate.

Partilhar: