A Docapesca anuncia ter arrancado com o processo de dragagens de manutenção de fundos do rio Gilão, em Tavira, no troço compreendido entre o edifício da lota e a ponte rodoviária a nascente.

Aquele organismo acrescenta, em comunicado, que “o investimento ascende a 281.650 euros, a intervenção tem um prazo de execução de 45 dias e os materiais a dragar terão um volume máximo estimado de 43.500 m³”.

Os trabalhos em curso “visam recuperar as cotas mínimas de serviço imprescindíveis à operacionalidade de estacionamento e descarga do pescado em lota, sendo também essenciais para o Projeto de Reordenamento das Embarcações no Rio Gilão, que inclui a implantação de estruturas (plataformas) de acostagem ao longo da margem direita do rio, entre o Mercado da Ribeira e a Ponte dos Descobrimentos”.

As estruturas referidas “incluem cinco cais, designadamente, para o desembarque do pescado, para operação das empresas marítimo-turísticas, para o embarque para a ilha de Tavira, para embarcações de pesca profissional e para abastecimento de combustível. Trata-se de um projeto enquadrado nas ações de requalificação do espaço urbano que o Município de Tavira tem promovido, em particular na frente ribeirinha do Gilão”.

 

Partilhar: