O Município de Faro participou, esta terça-feira, na reunião do Banco Mundial, realizada em Zagreb – Croácia, subordinada ao tema “Doing Business in the European Union  2018” (Realização de negócios na União Europeia).

A reunião contou com mais de 100 participantes, de vários países europeus, tendo sido analisados vários países e cidades europeias.  

O projeto Doing Business foi lançado em 2002, pelo Banco Mundial, e avalia as medidas de regulamentação existentes e seu impacto na criação de negócios e ao longo de todo o ciclo de vida das PME’s (pequenas e médias empresas). Este estudo já foi realizado em mais de 190 economias e cidades seleccionadas.

Esta avaliação pretende comparar os diferentes ambientes de regulação de negócios entre as economias e ao longo do tempo, incentivando as economias a competirem por uma regulamentação mais eficiente. 

Na sua intervenção, integrada no painel sobre a “Remoção de obstáculos para o crescimento das PME’s ao nível regional”, o presidente da autarquia farense, Rogério Bacalhau, destacou as “condições únicas que Faro apresenta para atrair investimento, seja pela rede de infraestruturas, pelos recursos humanos qualificados ou pelas condições naturais de que dispõe”.

Referiu, ainda, o investimento que a Câmara que dirige está a realizar na desburocratização e simplificação de processos, nomeadamente através da desmaterialização do processo de licenciamento de obras particulares, com o objectivo de tornar Faro ainda mais competitiva, na captação de investimento.

Isso permite que, na sua opinião, a situação existente hoje seja bastante melhor do que aquela que existia há alguns anos, no que respeita ao licenciamento de obras, sendo os projectos que reúnem todas as condições aprovados num curto espaço de tempo. No entanto, não pretende ficar por aqui, assumindo “a ambição de tornar os serviços ainda mais eficiente e eficazes, permitindo, desta forma, encurtar ainda mais os prazos, sempre com o objectivo de atrair mais investidores ao concelho, com o objectivo de criar mais empregos e riqueza”.  

Partilhar: