A greve dos motoristas de matérias perigosas assustou grande parte dos automobilistas portugueses que, com receio de ficarem com o depósito vazio, tomaram hoje o caminho da bomba de combustível mais próxima, onde se viram forçados a esperar nas enormes filas entretanto formadas ao longo de, em muitos casos, mais de uma hora.

A enorme afluência fez com que muitos postos tenham acabado por ficar sem gasolina, gasóleo ou até sem qualquer destes combustíveis.  De acordo com um portal construído por voluntários e ‘alimentado’ por utilizadores, esta noite, no Algarve, já há mais de uma centena de postos de combustíveis nestas circunstâncias.

Durante a manhã, também o Aeroporto de Faro já tinha sido afetado por esta greve e ficado sem combustível.

Entretanto, ao fim da tarde, o Governo veio declarar a “situação de alerta”, a qual vigorará até ao final do próximo dia 21 e que permite a implementação de medidas excecionais para garantir os abastecimentos de combustíveis. Uma delas é a mobilização de todos os agentes de proteção civil nas operações que sejam necessárias e outra a de habilitar todos os condutores de veículos pesados a fazerem o transporte de combustíveis.

Partilhar: