A Associação Algarve STP (Systems and Technology Partnership) e a Universidade do Algarve,  no âmbito do movimento Algarve TEch Hub, organizaram, no NERA em Loulé, um primeiro workshop da série “Ecossistema de Inovação do Algarve”, com o objetivo de identificar e debater os fatores de bloqueio e de aceleração na criação de um ecossistema na região. Este workshop teve o apoio, para além do Nera, da Associação Algarve Evolution.

O primeiro workshop foi dedicado à temática do Capital para o Crescimento. A entidade convidada foi a INDICO, Capital Partners, representada por Ricardo Torgal.

A INDICO tem investido em empresas localizadas um pouco por todo o território nacional, não se focando exclusivamente na área de Lisboa. 

Na sua intervenção explicou que as empresas capitais de risco tendem a entrar numa fase nascente da atividade empresarial, desde logo com uma clara indicação de que permanecerão nas empresas que apoiam o tempo necessário para o seu crescimento e valorização, devendo assegurar depois, num período entre os 7 a 10 anos, a alienação das suas posições.

O orador afirmou ainda que, com base na sua experiência, as pessoas configuram o elemento primordial do sucesso de uma empresa, devendo agregar um conjunto de características especificas, como a ambição, a humildade para ouvir outras opiniões, e a projeção pessoal como visibilidade do próprio projeto.

Neste sentido, a INDICO procura como fatores diferenciadores de sucesso para os seus investimentos, o talento especial, os produtos ou serviços únicos, e os projetos que permitam configurar uma plataforma de crescimento.

O encontro contou ainda com a participação de empreendedores e empresários da região, designadamente de empresários estrangeiros a residir e a trabalhar atualmente no Algarve.

O próximo workshop encontra-se previsto para o dia 23 de janeiro, em Faro, dedicado ao tema: “Sistemas tecnológicos inteligentes”.

Criada em 2017, a INDICO é a primeira capital de risco institucional e privada independente para investimento em empreendedorismo tecnológico de base nacional, tendo lançado o seu primeiro fundo em 2018, contando hoje com um capital de € 50 milhões e tendo investido já em cerca de 10 startups, como é o caso da Unbabel, Infraspeak e Barkyn em Portugal (ou com origem no nosso país), bem como a Tier Mobility (em Berlim, Alemanha). O investimento por startup situa-se entre os 150 mil e 5 milhões de euros dependente do estádio de maturidade.

Partilhar: