A Câmara de Loulé vai ter, em 2019, um orçamento superior a 100 milhões de euros. Com efeito, o documento recentemente aprovado por aquele executivo camarário inclui um valor total de 105.535.339 euros.

Em comunicado, a autarquia adianta, também, que vai continuar a apostar na redução de impostos. O IMI será fixado novamente na taxa mínima aplicável de 0,3%. Por outro lado, como medida de combate à desertificação e ao envelhecimento demográfico das zonas do interior, voltou a ser aprovada a minoração desse imposto em 30% em relação à taxa mínima aplicável nas freguesias de Alte, Ameixial, Salir e União de Freguesias de Querença, Tôr e Benafim.

Existirá, ainda, uma redução de 20, 40 e 70 euros (montante fixo) na taxa de IMI, de acordo com o agregado familiar, ou seja, consoante exista um, dois ou três ou mais dependentes, respetivamente. Isto no caso de imóveis destinados a habitação própria e permanente.

A Câmara de Loulé volta a prescindir dos 5% da participação de variável de IRS, isentando os sujeitos passivos com domicílio fiscal no Concelho do pagamento do mesmo.

Finalmente, “com o objetivo de atrair o capital empresarial para o concelho”, aquela autarquia irá continuar a não aplicar a derrama sobre o lucro tributável e não isento de IRC às empresas.

Partilhar: