O Autódromo Internacional do Algarve (AIA) garantiu que um grande prémio do Mundial de Superbikes vai continuar a realizar-se no seu circuito até 2022, através da assinatura, na sexta-feira, do respetivo contrato com a empresa responsável pela prova.

No final, e em declarações a «O Algarve», o responsável máximo pelo Autódromo, Paulo Pinheiro, mostrava-se muito satisfeito, uma vez que aquela “é a competição mais importante que temos e um dos nossos pilares essenciais.”

Mas também para a região é uma prova de grande relevância económica, uma vez que, só no fim de semana em que se realiza, deverá deixar no Algarve ” um valor superior a oito milhões de euros.” Mas se também forem contabilizadas “as verbas relacionadas com as apresentações e testes realizados ao longo do ano, seguramente que o valor total é superior a 12 milhões de euros.”

A edição deste ano vai disputar-se entre os próximos dias 6 e 8 de setembro e Paulo Pinheiro conta que nas bancadas haja cerca de 60 mil pessoas a aplaudir os ‘aceleras’. A estes deverão juntar-se “cerca de 32 milhões de pessoas” que seguirão, um pouco por todo o mundo, a prova através da televisão.

A esta e às outras competições de alta velocidade que o Autódromo recebe anualmente, Paulo Pinheiro tem a expectativa que se vá juntar um grande prémio de Moto GP. Isso deverá acontecer “a seu tempo, mas ainda não no próximo ano”.

O sonho do Algarve contar com um grande prémio de Fórmula 1 é que parece ser de concretização mais difícil e que “não depende de nós”. O circuito tem todas as condições para acolher uma prova dessas, mas o problema é que não vê que o país tepossua, pelo menos, a curto prazo, capacidade para investir a verba necessária para garantir a prova, que, pelas suas contas “deverá ser superior a 30 milhões de euros anuais”.

Partilhar: