Albufeira foi a primeira cidade a acolher o tour nacional do Smart Cities, uma iniciativa da responsabilidade da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) e da Nova Information Management School, que na Quarta-feira, 21 de Fevereiro, encheu o Salão Nobre da Câmara Municipal. O evento, que irá percorrer mais seis cidades, culmina no Portugal Smart Cities Summit, a decorrer de 11 a 13 de Abril, no Centro de Congressos de Lisboa.

Subordinado ao tema “Cidade como Plataforma”, a sessão de Albufeira abordou áreas como a gestão integrada, internet das coisas, dados abertos, transformação digital, segurança pública, planeamento territorial sustentável e gestão de sistemas urbanos.

Durante a sua intervenção Carlos Silva e Sousa destacou a importância de Albufeira pertencer à rede de cidades inteligentes, o que na sua opinião constitui um enorme desafio e um contributo importante em termos da gestão do território. “Ser uma Smart City permite melhorar a gestão dos recursos, o que se reveste de particular importância numa altura de grande exigência política em que temos que nos socorrer de todos os mecanismos disponíveis na gestão da coisa pública, e para isso o conhecimento é fundamental” referiu o autarca.

Neste momento, a Câmara tem em curso vários projectos que assentam nas novas tecnologias da comunicação e informação.

Um deles é o Sistema de Gestão Integrado de Dados Alfanuméricos e Geográficos, uma ferramenta que possibilita a criação, edição e análise de qualquer tipo de dados alfanuméricos e geográficos e gera relatórios.  Existe também uma plataforma única, que disponibiliza um directório de serviços, com informação útil para os munícipes e para os turistas, através de painéis LCD distribuídos por diversos equipamentos municipais, uma plataforma web (albufeira.pt) de promoção turística adaptada a todos os tipos de dispositivos e aliado a esta, várias aplicações.

Carlos Silva e Sousa referiu, ainda, a existência de vários pontos de WI-FI gratuitos, Becons, que permitem ao utilizador acesso a um conjunto diversificado de informações, certificação dos sistemas de segurança da informação e um programa comunitário de Desfibrilhação Automática Externa (DAE).

Trata-se, concluiu, de “projectos extremamente importantes que colocam Albufeira no centro do actual movimento de transformação das cidades que irá resultar em ganhos acrescidos ao nível da sustentabilidade, da eficiência e da atractividade económica do concelho”.

Partilhar: