Quem possui imóveis velhos que pretenda reabilitar tem à sua disposição o IFRRU 2020, um instrumento de apoio financeiro, que tem uma dotação máxima de 1.400 milhões de euros.

Nesta altura, revelou  a presidente do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU), Alexandra Gesta, no decorrer da  IV Semana da Reabilitação Urbana de Portimão, já foram apresentadas 60 candidaturas envolvendo um investimento de 194 milhões de euros, o que significa pelo que ainda existe muita verba disponível.

Esta solução de financiamento consiste num empréstimo que “é feito em condições bem mais favoráveis do que as de mercado”, uma vez que é assegurado em 50% por fundos públicos (os outros 50% são disponibilizados pelas instituições bancárias que participam no programa).

Podem candidatar-se proprietários individuais ou entidades públicas e privadas, que pretendam reabilitar imóveis situados no interior das Áreas de Reabilitação Urbanas (ARU). Em princípio, os prédios em causa devem ter 30 anos ou mais, mas podem também candidatar-se imóveis mais novos desde que estejam em mau estado de conservação.

Praticamente todo o tipo de despesas são elegíveis, mas esta responsável alerta para o facto de “os trabalhos não poderem ter sido iniciados antes da apresentação da candidatura”.

Para avançar com o processo, os interessados devem dirigir-se à Câmara Municipal da área em que se situa o imóvel que querem reabilitar, que emite um parecer de enquadramento. Depois há que munir-se de uma certificação energética e dirigir-se a um dos bancos parceiros: o Santander Totta, o Banco BPI, o Millenium BCP ou o Popular.

Informações complementares sobre o IFRRU 2020 podem ser obtidas aqui.

Partilhar: